ÓRGÃOS COLEGIADOS

Proposta foi aprovada pelo Consuni. Objetivo é dar celeridade a processos internos e aperfeiçoar a pós-graduação

Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

 

O Conselho Universitário da UnB (Consuni) aprovou na sexta-feira (23) a proposta de criação do Decanato de Pesquisa e Inovação (DPI). O novo decanato absorverá diretorias atualmente alocadas no Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) e no Decanato de Administração (DAF). O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) também passa a ser parte do DPI.

O decanato responsável pela pós-graduação será reestruturado e chamado apenas de Decanato de Pós-Graduação (DPG). A implementação do DPI será efetivada após publicação no Diário Oficial da União.

A reitora Márcia Abrahão considerou a aprovação no Consuni como fundamental para que a UnB possua uma nova dinâmica de projetos já no início de 2017. “Devemos lembrar que há outras universidades em um ritmo muito mais forte que o nosso em termos de pesquisa e inovação”, disse.

MOTIVAÇÃO – Entre as razões expostas pela administração superior para a criação do DPI está o acompanhamento da expansão dos números de docentes e programas de pós-graduação na UnB desde 2008, com o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni).

Além disso, a lentidão na análise de contratos, convênios e projetos de pesquisa e desenvolvimento foi apontada como fator prejudicial ao avanço da UnB, em comparação com outras instituições federais de ensino superior no país. 

Márcia Abrahão preside a 438ª reunião do Consuni. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB


Assim, a proposta apresentada pela reitoria consistia em “criar um decanato dedicado exclusivamente à pesquisa e à inovação, com o objetivo de fomentar e incentivar a pesquisa básica, aplicada e de inovação; incluindo graduação e extensão, além da pós-graduação”, conforme informava o texto projetado aos conselheiros.

Após a exposição de motivos, a maioria dos membros do Consuni manifestou-se a favor da proposta, aprovada com 50 votos favoráveis e duas abstenções. A vice-diretora do Instituto de Psicologia (IP), Daniele Nunes, classificou a questão como urgente para a Universidade e sugeriu uma análise aprofundada para que se entenda a relevância do novo decanato.

“O país passa por uma profunda crise, com cortes orçamentários graves. Isso significa que teremos dificuldades para compor quadros e fomentar ações. Neste ano, passamos por cortes de bolsas, que devem se repetir em 2017. Criar o decanato neste momento, que também envolve instabilidade política, é importante para que possamos agilizar parcerias com setores público e privado, a fim de gerar recursos para nossas pesquisas”, pontuou.

O diretor da Faculdade de Planaltina, Marcelo Bizerril, reforçou a urgência da pauta. “É um assunto importante, que deve ser debatido de forma ampla, como estamos fazendo. O Conselho Universitário é o espaço para isso e a importância do tema justifica essa reunião às vésperas do Natal”.

ESTRUTURAS – Em um primeiro momento, integrarão o Decanato de Pesquisa e Inovação a Diretoria de Pesquisa (DIRPE), que atualmente faz parte do DPP; a Diretoria de Apoio a Projetos Acadêmicos (DPA), que funciona no DAF; e o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT).

“Para que andamentos de processos não sejam interrompidos, vamos trazer essas estruturas como estão para integrar o funcionamento do DPI”, declarou a professora Maria Emília Machado, responsável por apresentar a proposta ao Consuni.

Já o Decanato de Pós-Graduação será constituído pelas diretorias de Iniciação Científica (DIRIC) e de Pós-Graduação (DIRPG), que existem no atual DPP. O documento da proposta levada ao Conselho Universitário prevê como missão do DPG “promover, coordenar, supervisionar e apoiar o ensino de pós-graduação e a iniciação científica, com o objetivo de formar recursos humanos de alto nível, fundamental para o desenvolvimento científico, tecnológico, artístico e cultural do país”. A Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação será mantida e utilizada pelos dois decanatos.

Na proposta, a reitora Márcia Abrahão também ressalta que “a criação do novo decanato não acarretará ônus para a UnB, uma vez que seu quadro de pessoal será migrado do atual Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação”.

CEPPAC agora é ELA. Novo departamento foi aprovado por unanimidade no Consuni. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB


NOVO DEPARTAMENTO – Os membros do Consuni também aprovaram por unanimidade a transformação do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas (CEPPAC) em Departamento de Estudos Latino-Americanos (ELA). O novo departamento estará vinculado ao Instituto de Ciências Sociais (ICS) e poderá ofertar o curso de bacharelado em Ciências Sociais com ênfase em Estudos Latino-Americanos.

De acordo com a vice-diretora do ICS, Christiane Girard, a mudança era assunto de primeira importância para a continuidade das ações do Centro. “O CEPPAC tem feito milagres até agora, já que tem contribuído muito para a internacionalização da UnB e a formação de alunos, mesmo com uma estrutura incompatível com seu crescimento”.

INFORMES – Na 438a reunião do Consuni, a reitora Márcia Abrahão apresentou, ainda, os novos diretores da Biblioteca Central (BCE), Fernando Leite; da Faculdade de Planaltina (FUP), Marcelo Bizerril; do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT), Sanderson Barbalho; do Arquivo Central (ACE), Rodrigo de Freitas; e da Editora UnB (EDU), Germana Pereira.

Márcia Abrahão também informou aos presentes que o orçamento da Universidade para 2017 será levado à apreciação no Consuni em janeiro. Apesar da previsão de cortes em recursos, a gestora indicou que não haverá redução de orçamento para as unidades acadêmicas. “Esse é um princípio com o qual temos trabalhado. A Universidade vai ter de buscar outras formas para atingir seu equilíbrio”, afirmou.

Salvar

Salvar

Salvar

Palavras-chave