OPINIÃO

Isaac Roitman é doutor em Microbiologia, professor emérito da Universidade de Brasília, coordenador do Núcleo de Estudos do Futuro (n.Futuros/CEAM/UnB), membro tiular de Academia Brasileira de Ciências. Ex-decano de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB, ex-diretor de Avaliação da CAPES, ex-coordenador do Grupo de Trabalho de Educação, da SBPC, ex-sub-secretário de Políticas para Crianças do GDF. Autor, em parceria com Mozart Neves Ramos, do livro A urgência da Educação.

Isaac Roitman

 

É quase unanimidade o mantra que diz que “a solução do Brasil é a educação”. Repetir o mantra e não avançar é ficar na retórica repetitiva. É andar em círculos. É preciso nos libertarmos dessa armadilha. Grandes pensadores indicaram caminhos para conquistar avanços. Noam Chomsky, denuncia que a escola atende os interesses do poder em vez de expandir a consciência, questionando dogmas. O ensino que privilegia a expansão da consciência, através da dúvida e do questionamento, daquilo que desafia dogmas, é preterido em relação àquilo que se faz dentro dos dogmas, da sistematização, da massificação.

Não haverá grandes transformações se continuarmos a utilizar a educação para que as pessoas tenham uma posição de subserviência. A educação no Brasil, segundo Darcy Ribeiro, foi apropriada para tornar seus cidadãos com baixa capacidade para interpretar livremente os fatos, inibição das formas cognitivas, repertório limitado etc.

O nosso grande desafio é proporcionar uma educação de qualidade no nosso ensino básico (primeira infância, educação infantil, fundamental, ensino médio e profissional) a todas as crianças e jovens. Os conteúdos, a pedagogia, as avaliações e outras dimensões do sistema educacional vigente estão ultrapassados. É imoral sabermos que nossas escolas básicas são fábricas de analfabetos (totais e funcionais) e ficar em silêncio.

Se a educação fosse um jogo de xadrez, a prioridade seria a valorização do Rei e da Rainha (professores e professoras). O jogo será perdido se todas as peças do jogo não se voltarem para a valorização dos principais protagonistas desse jogo. Para ganharmos o jogo, as universidades têm um papel fundamental, e elas só cumprirão sua missão se a matéria-prima (egressos do ensino médio) for de qualidade, com capacidade criativa, motivação, pensamento crítico e com valores e virtudes consolidados.

Entre outras dimensões, as universidades brasileiras deverão ter como a maior prioridade a formação inicial e continuada de professores contemporâneos. Esses novos professores deverão agir com mediador, solucionar conflitos, ser estimulador e gerenciador do conhecimento, e não o papel de transmissor de informações. Ele deve atuar para levar o educando a pensar, a criticar e gerar perguntas para a produção do conhecimento e se tornar um cidadão ativo dentro da sociedade, apto a questionar, debater e romper paradigmas.

Para cumprir essa nobre e urgente missão, será necessária uma ruptura na formação atual de professores, inclusive na capacidade de incorporação das novas tecnologias nas áreas de comunicação e informação. Seria também importante criar um sistema de educação continuada, com novos formatos experimentais, necessários e que marcam o dinamismo da sociedade contemporânea. Será um pré-requisito a valorização do professor (salário digno, carreira atraente e condições de trabalho adequadas). O desafio está colocado. Mãos a obras.

 

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

 

__________________________________________________

Publicada originalmente no Monitor Mercantil em 14/10/2020.

ATENÇÃO – O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seu conteúdo.