OPINIÃO

Mercedes Maria da Cunha Bustamante é professora titular da Universidade de Brasília. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mestre em Ciências Agrárias pela Universidade Federal de Viçosa e doutora em Geobotânica pela Universidade de Trier.

 

Mercedes Bustamante

 

No ano do bicentenário da independência do Brasil, vale revisar os relatos das viagens do botânico francês Auguste de Saint-Hilaire pelo interior do Brasil, entre 1816 e 1822, descrevendo não somente a natureza mas também muitos aspectos da sociedade brasileira à época. Em suas considerações sobre as transformações de nossas paisagens naturais, ele observou a ação humana reduzindo a diversidade de plantas com a perda de seus benefícios econômicos - árvores preciosas derrubadas “inutilmente sob o machado do agricultor imprevidente”, contribuindo com a extinção “de milhares de espécies úteis para as artes e a medicina”, em associação às queimadas. Saint-Hilaire lamentou a agricultura predatória e “sem inteligência” e a perda da vegetação nativa antes mesmo suas espécies pudessem ser catalogadas e estudadas.


Um leitor desatento poderia, tranquilamente, situar tal descrição no Brasil de hoje. Com a diferença que hoje podemos acrescentar o conhecimento sobre os impactos negativos do desmatamento nas mudanças climáticas e na oferta de serviços ecossistêmicos, como produção e conservação de água, polinização, controle de pragas agrícolas e de novas pandemias.


Nos últimos dias, houve a divulgação quase escondida (em 31 de dezembro!) dos dados oficiais do desmatamento do Cerrado em 2021. Os números Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), indicam novo crescimento do desmatamento e a perda de 8.531,44 km2, pressionando ainda mais o bioma que já perdeu quase 50% de sua vegetação nativa. Uma semana depois, em 6 de janeiro, o INPE informou que o monitoramento do Cerrado será mantido somente até abril desse ano por falta de verba. Os recursos usados na estruturação do PRODES Cerrado eram de um programa internacional e foram captados com o compromisso do Brasil de, posteriormente, garantir a manutenção do monitoramento.


Recém-saídos da COP26, na qual o Brasil se comprometeu com o fim do desmatamento, continuamos com as atividades predatórias e sem inteligência, tal como descritas por Saint Hilaire há 200 anos e, o que é pior, a partir de abril, estaremos oficialmente às cegas neste cenário de destruição. Mas, outra notícia recente, sobre a solicitação de investigações por parte de parlamentares dos Estados Unidos e da Europa contra a empresa JBS por possíveis relações com o desmatamento no Brasil, nos lembra que o que deixamos de ver aqui, continuará a ser visto pelo resto do mundo.


No Cerrado, as seguranças alimentar, energética e hídrica do país estão intrinsicamente conectadas e são dependentes da conservação da vegetação nativa em larga escala. A agricultura no Cerrado segue o ritmo da sazonalidade da precipitação, mas as projeções mais recentes de mudanças do clima apontam para a redução da precipitação e a extensão do período seco. A adoção de práticas de irrigação tem crescido persistentemente desde os anos 1970. Porém, o desmatamento em escala regional altera o ciclo hidrológico no Cerrado e, em conjunto com a variabilidade climática, podem limitar tais práticas.

 

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

 

_________________________________________________

Publicado originalmente no Correio Braziliense em 11/01/22

ATENÇÃO – O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seu conteúdo.