OPINIÃO

Dioclécio Campos Júnior é Professor Emérito da Universidade de Brasília. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, é mestre e doutor em Pediatria, ambos pela Universidade Livre de Bruxelas. Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, membro titular da Academia Brasileira de Pediatria e presidente do Global Pediatric Education Consortium (GPEC). Atua principalmente nos temas: vínculo mãe-filho, aleitamento materno, nutrição infantil, crescimento e desenvolvimento, desnutrição, estreptococcias, parasitologia, saúde pública e comunicação.

 

 

Dioclécio Campos Júnior

 

O panorama planetário da atualidade é preocupante. Generaliza-se a banalização da violência sob todas as formas e nas distintas partes do mundo. Acreditava-se que o avanço da tecnologia de comunicação virtual fosse vencer as fronteiras e uniformizar o grau de consciência da humanidade indispensável ao seu progresso evolutivo. Ledo engano, porque a análise formulada se limitou à crença nos mecanismos tecnológicos realmente inovadores. Não se considerou a serviço de quem estariam sendo implantados, fortalecidos e expandidos no mundo inteiro. Tampouco se identificou o vigor imperial dos interesses econômicos, articulados pelas elites dominantes, que caminham soltos e completamente intocáveis ao longo das eras. Consolidou-se a desigualdade, fortaleceu-se a injustiça, perpetuou-se a humilhação. A cultura da mentira passou a surfar nas mórbidas ondas de tenebrosos mares nunca dantes navegados.


O consumismo se infiltrou na mente coletiva, subordinando-a ao deslumbramento que os produtos e mercadorias mistificados são concebidos para despertar. Vive-se o êxtase do modismo que uniformiza as aparências individuais. Os cidadãos se convertem, sem o perceberem, em propagandistas ingênuos que se regozijam em divulgar marcas e frases marqueteiras estampadas em vestes, bonés, tênis. É um condicionamento comportamental que ultrapassa todo e qualquer limite da ética, cujos princípios são ignorados pelo perfil empresarial dos novos tempos. Mochilas cada vez maiores e pesadas, cheias de artigos desnecessários à real qualidade de vida, incorporam-se à coluna dorsal do corpo humano. É a cifose estética do escravismo consumista que seduz as novas gerações. Até as crianças, na mais tenra idade, são iniciadas na deplorável falácia e exploradas como bebês-propaganda.

 

Em outras palavras, o mais alto investimento empresarial dos novos tempos tem sido feito no corpo, em prejuízo da alma. Na matéria, em detrimento do espírito. Na prática sexual, sem o ingrediente do amor. No automatismo robótico que desfaz o pensamento. Na imagem que erradica a escrita. No barulho ensurdecedor que inviabiliza o silêncio. Nas academias feitas para robustecerem os músculos em ambientes nada saudáveis. Nos pets que se sobrepõem às crianças. Nos espetáculos que ganham a dimensão de tremores da terra. Nas armas de fogo que sepultam a paz. No ensino que não educa. Na diversão que exulta impulsos e não respeita posturas. Nos noticiários que escondem a verdade para defender interesses. Na demolição do humanismo em benefício do imperialismo.

 

A interação pessoal perdeu o sentido, prevalecendo a nova imagem corporal de cada um, praticamente igual à de todos. Amizade passa a ser a distância. Abraço e beijo prevalecem na versão eletrônica. Educação se converte em teleconferência. Encontros já não são presenciais. Os olhares são fixados às telas, não à realidade. A leitura e a escrita restringem-se a mensagens telegráficas. Livros deixam de existir, perdendo espaço para vídeos que roubam o exercício da reflexão sem a qual desparece o ato de pensar. A era do corpo, construída no universo de objetivos materiais imediatistas, só foi possível porque reprimiu a alma condenando-a aos desvãos do obscurantismo escabroso de mistificadoras ideologias.

 

A alma é a energia que harmoniza órgãos e sistemas do organismo. É a única fonte do livre pensamento. É a gênese de afeto, ternura, respeito ao próximo, serenidade pacífica, educação espontânea e autêntica, sentimentos humanos verdadeiros. Traduz a plena sintonia com os valores morais e éticos, assimilados na mais absoluta humildade reverencial. Não é agressiva. Não exerce a violência. Não pratica o terror. Expressa a essência cósmica da noosfera, a substância espiritual que paira acima das camadas terrestres. A censura dos pendores anímicos de cada um desmonta o conceito do belo para que prospere a ditadura da imagem, em benefício dos comandos puramente tecnológicos. A repressão da alma é a censura da arte legítima e sublime substituída pela pobreza da cultura do espetáculo.

 

Sem a sua mente natural, o corpo se transforma em mero objeto, inteiramente artificializado por sístoles e diástoles econômicas, refém inconsciente de incoerências que lhe são impostas para sobreviver desumanizado. É autômato desprovido da capacidade perceptiva que a espécie perdeu sem se dar conta. A sociedade humana não pode mais ser enganada com tamanha facilidade. O corpo sem alma não pulsa, é dominado. Não vive, apenas vegeta.

 

___________________________________________________

Publicado originalmente no Correio Braziliense em 21/09/2017.

 

ATENÇÃO

O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.

 

Palavras-chave