OPINIÃO

Cristovam Ricardo Cavalcanti Buarque é Professor Emérito da Universidade de Brasília e senador do Distrito Federal

Cristovam Buarque


É triste ver o futuro do Brasil se esvaindo na crise de nossas universidades e centros de pesquisa. Ainda mais triste perceber que o governo atual e milhões de brasileiros veem esse cenário crítico como se fosse apenas um problema isolado e a redução nas pesquisas como algo que afeta unicamente a comunidade científica. Quando a seleção brasileira de futebol perde um jogo, o país sofre como uma derrota de toda a nação. Quando uma universidade e centros de pesquisas são impedidos de funcionar bem, é como se o Brasil estivesse perdendo no presente e sacrificando ainda mais seu futuro.

 

Também é triste perceber que essa crise seria perfeitamente evitável se as forças políticas nacionais entendessem claramente a importância do ensino superior, da ciência e da tecnologia. Poderia ser evitada se o atual governo não fizesse os contingenciamentos atuais de R$ 7 bilhões sobre os gastos previstos no orçamento dessas áreas.

 

É certo que a situação fiscal que pesa hoje sobre as universidades não existiria se os governos anteriores não tivessem sido tão irresponsáveis com as contas públicas: só com a Copa do Mundo e as Olimpíadas foram gastos R$ 40 bilhões, o equivalente a 60 meses do então Ministério de Ciência e Tecnologia e a 150% dos gastos com as universidades federais. Sem falar dos R$ 370 bilhões com isenções fiscais (entre 2010 e 2014) usando a falsa narrativa de que esses gastos iriam gerar emprego e dinamizar a economia.

 

A crise seria evitada se os governos anteriores, dos quais participavam o atual presidente, como vice, e grande parte de seus ministros, inclusive o de Ciência e Tecnologia, tivessem escutado alertas, como um de 2013 publicado pelo Senado Federal sob o título de “A economia (ainda) está bem, mas não vai bem” e que pode ser acessado aqui.

 

O arroxo fiscal que o setor público atravessa é apresentado como desculpa para esse contingenciamento, mas há outros setores de onde podem ser retirados recursos para não sacrificar o futuro do país. Na semana passada foram liberados R$ 2,1 bilhões para emendas de parlamentares com o objetivo de garantir apoio para impedir a aprovação da denúncia do Ministério Público contra crimes que teriam sido cometidos pelo atual presidente. Esse valor resolveria a crise da nossa ciência. O governo vem fazendo gastos em outras áreas com recursos que poderiam ir para a construção do futuro.

 

Para o próximo ano, o Ministério Público, que luta corretamente contra a comportamento corrupto de políticos, acaba de cometer uma corrupção nas prioridades ao aprovar aumentos de salários para seus integrantes a um custo anual de R$ 100 milhões, dinheiro que resolveria metade da crise da UnB, cujo orçamento para seu funcionamento em 2017 é de R$ 226 milhões. O argumento de que o aumento de salários virá da redução de outros gastos no MP permite imaginar que não só estão gerindo mal o dinheiro público como se esquecendo de que essa verba pertence ao coletivo, ao povo, portanto, é pública.

 

Por isso, a comunidade acadêmica precisa estar alerta na discussão do orçamento para 2018. Foi pensando nisso que levei à última Reunião do SBPC, em Belo Horizonte, a proposta, entregue à então presidente – professora Helena Nader – da criação de um movimento pela salvação da ciência brasileira, com o indicativo de cinco bandeiras de luta por mais recursos para este setor:

 

a) As emendas de parlamentares devem ser obrigatoriamente dirigidas em parte para a ciência e tecnologia;
b) Retirar 0.5% dos recursos discricionários de todos os ministérios e demais órgãos do Poder Executivo para financiamento dessas áreas;
c) Reduzir drasticamente os recursos destinados à publicidade do governo federal, realocando a verba nesses setores;
d) Destinar à ciência e tecnologia parte dos recursos da economia com desperdícios apurados pela CGU e dos recursos disponíveis nos Fundos Constitucionais;
e) Definir ciência e tecnologia como áreas estratégicas sobre as quais serão impedidos, por lei, contingenciamentos.

 

Tudo isso é possível, mas dificilmente virá sem uma mobilização forte da sociedade, começando pela comunidade acadêmica, científica e tecnológica. Até recentemente, bastava reivindicar e jogar a conta para o povo, sob a forma de inflação. Agora, será preciso lutar para definir as prioridades do futuro. Não poderemos outra vez aceitar a construção de um injustificável estádio por R$ 2 bilhões ao lado da UnB, que precisaria de poucos milhões para evitar a crise atual. O silêncio no passado foi uma grande omissão. Agora seria um crime contra o futuro do Brasil.

 

__________________________________________________________________________

Publicado originalmente no Correio Braziliense em 1º/8/2017.


ATENÇÃO
O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.

Palavras-chave