CULTURA

No aniversário de oitenta anos da morte de Antonio Machado, Instituto de Letras promove evento para abordar importância e atemporalidade do legado do autor

Professora Lina Cacho em sua palestra Machado y la filosofía cantada: elogio de Abel Martín. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

Antonio Cipriano José Maria y Francisco de Santa Ana Machado e Ruiz é o nome completo do poeta e francófilo que se tornou conhecido como Antonio Machado. Nascido em Sevilha, na Espanha, o autor de Soledades. Galerías. Otros poemas está sendo celebrado em um seminário internacional organizado pelo Instituto de Letras (IL) da UnB, em parceria com Instituto Cervantes e Embaixada da Espanha.

 

“É um poeta que nos ajuda a pensar os direitos humanos, cuja discussão é fundamental dentro da nossa Universidade”, disse o reitor em exercício Enrique Huelva, na abertura do encontro, na noite desta quarta-feira (10). “Ele nos ajuda a lembrar o que somos, uma vez que fala de onde nasceram os direitos internacionais. Ao mesmo tempo, lembra que somos seres humanos e temos alma”, completou o embaixador da Espanha, Fernando Casas. A programação do evento se encerra nesta quinta-feira (11).

 

Representante mais jovem da Geração de 98 – grupo formado por artistas espanhóis comprometidos com a renovação estética e cultural do país após a derrota na Guerra Hispano-Americana de 1898 –, Antonio Machado escrevia com fortes influências de sua vida, uma poesia democrática, que ainda pode ser lida nos dias de hoje sem prejuízo de entendimento e aplicação. “Era um defensor da democracia e representante do espírito libertário, foi da Espanha para o mundo”, opinou a organizadora do seminário, Elga Laborde.

 

“Ele é afetivo até quando pensa. Por isso creio que não haja país como o Brasil para entender Machado”, comentou Lina Cacho, professora da Universidade de Salamanca, uma das palestrantes do evento. Historiadora literária, a docente propôs um passeio pelos poemas de Antonio Machado e apresentou algumas canções de suas obras. A musicalização da obra de Machado tem profunda relação com o toque da guitarra e o ritmo flamenco.

Danglei Pereira, coordenador do Póslit, Fernando Casas, embaixador da Espanha, reitor em exercício Enrique Huelva, Rozana Naves, diretora do IL, e Elga Laborde, organizadora do seminário, compuseram a mesa de abertura. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

O escritor é considerado um dos grandes poetas da língua castelhana e sua obra se caracteriza pela sensibilidade e precisão no uso da linguagem. No Brasil, a obra de Antonio Machado inspirou Cecília Meireles, que chegou a escrever Poema a Antonio Machado

 

A noite que abriu o evento proporcionou ainda um debate após a palestra de Lina e o recital Cantares Poéticos, com a artista Marília de Alexandria e a professora Elga Laborde. Nesta quinta-feira (11), o palestrante convidado é o professor Manuel Sánchez, diretor do Departamento de Literatura Espanhola e Hispano-Americana da Universidade de Salamanca.

 

As atividades deste último dia de seminário começam às 19h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local, auditório do IL, subsolo do ICC Sul. Haverá emissão de certificados. O evento finaliza uma série de eventos de boas-vindas organizados pelo Instituto de Letras para o 1º/2019.

 

MAIS SOBRE O POETA – Nascido em 1875, Antonio Machado é o irmão mais novo do poeta Manuel Machado. Filho do folclorista Antonio Machado y Alvarez, se formou na Instituición Libre de Enseñanza. Quando a guerra civil espanhola começou, em 1936, morava em Madri. De lá saiu com a mãe e alguns familiares até Barcelona. Em 1939, se exilou e morreu, em Collioure, na França.

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.