UnB EM AÇÃO

Perto de alcançar a marca de 20 edições, informativo convida comunidade a responder pesquisa de satisfação sobre o conteúdo produzido 

Boletim atualiza informações sobre a pandemia de covid-19. Imagem: Reprodução

 

Após uma semana registrando queda na média móvel de mortes por covid-19, o Brasil voltou à estabilidade nesse cenário. São mais de 132 mil mortos pelo novo coronavírus, ao mesmo tempo em que mais de 4,35 milhões de brasileiros já foram infectados pela doença. Esse levantamento, além de informações sobre o comportamento do Sars-CoV2 no Brasil e no restante do planeta, pode ser conferido na 18ª edição do Boletim Coes. O material é publicado semanalmente pelo Comitê Gestor do Plano de Contingência da Covid-19 (Coes) da UnB. 

 

>> Confira íntegra da 18ª edição do Boletim Coes

 

O último balanço até a atualização do boletim, em 14 de setembro, indica 454 mortes em 24 horas, no Brasil. Acre e Ceará são os dois únicos estados a registrarem alta na média móvel de mortos. Treze estados e o DF apresentam estabilidade nos números e 12 estados estão com a média móvel de mortos em queda.

  

PESQUISA DE SATISFAÇÃO  O Boletim Coes completará 20 edições neste mês de setembro e, para continuar entregando um material de qualidade, pede aos leitores que respondam a avaliação do periódico. São questões relativas ao conteúdo veiculado desde o início da publicação. 

Decano de Assuntos Comunitários e presidente do Coes, Ileno Izídio ressalta a importância da pesquisa de satisfação. Foto: Julio Minasi/Secom UnB

 

"Já estamos perto das duas dezenas de boletins do Coes, com seis meses de edição semanal, sem interrupções. Como o acesso é feito pelo SEI, que envia o periódico para todas as unidades administrativas e acadêmicas da UnB, ou por meio do portal da UnB, o Coes sentiu necessidade de verificar, minimamente que seja, como está a recepção e a leitura de nosso boletim. Assim, conclamamos todos e todas a nos dar um feedback, para nos aperfeiçoarmos, e eventuais sugestões para incrementar o produto. Contamos com a participação de toda comunidade", disse o decano de Assuntos Comunitários e presidente do Coes, Ileno Izídio da Costa.

 

>> Participe da avaliação do Boletim Coes

 

PANDEMIA NO MUNDO – A covid-19 segue avançando ao redor do planeta: em 13 de setembro, foi registrado o recorde mundial de infecções: mais de 307 mil novos casos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Índia, Estados Unidos e Brasil lideram o ranking.

 

Na Índia, a situação segue fora de controle: em 12 de setembro, foram mais de 97 mil infectados no país, maior número desde o início da pandemia por lá. No total, são 4,65 milhões de infectados e mais de 77 mil mortos. O governo local não dá indícios, contudo, de que deve retomar a quarentena no país. Por outro lado, China, Japão e Coreia do Sul seguem com a curva estabilizada.

 

Na Europa, o Reino Unido registrou mais de 3,4 mil casos em 12 de setembro, o que está motivando as autoridades a impor novas medidas de isolamento social se o crescimento no número de casos persistir. O número de mortes segue baixo, mas há o temor de que o cenário mude nos próximos dias. A França é outro país europeu com alta: foram mais de 10 mil infecções no mesmo dia. As situações de Áustria, República Tcheca, Espanha e Ucrânia também despertam maiores cuidados, com aumento no número de casos.

 

Os Estados Unidos ainda lideram o número de mortes e infecções globalmente, mas a curva por lá apresenta uma tendência de queda: são 44% a menos em relação ao pico de 77 mil casos registrados em julho. No México, a pandemia causou até mesmo a falta de papel para impressão de certidões de óbito; 66 mil mexicanos morreram por covid-19. A Argentina, que até então havia controlado bem a pandemia, viu o número de casos disparar nas últimas semanas: foram mais de 11 mil casos em 11 de setembro, chegando a 524 mil infecções e 10 mil mortes no total. O Peru segue como país com maior mortalidade por habitante na América Latina.

 

A África registrou 170 mortos por covid-19 em 24 horas no dia 15 de setembro. No continente, mais de 1,3 milhões de pessoas foram infectadas, com mais da metade desses números apenas nos países mais ao norte. Desses, o Marrocos é o país que inspira mais preocupação, com aumento crescente no número de infecções.

 

A Austrália, pela primeira vez em dois meses, não registrou mortes pelo novo coronavírus em 24 horas, com apenas 50 casos confirmados. Os números permitiram afrouxamento das medidas de distanciamento. Na Nova Zelândia, os casos seguem em estabilidade baixa.

 

*Dados sobre a pandemia atualizados depois do fechamento da 18ª edição do Boletim Coes

 

Leia também:

>> Palestra de Noam Chomsky abre Semana Universitária 2020

>> Projetos da UnB de combate à covid-19 têm financiamento aprovado em edital

>> Iniciativa entrega cartas solidárias a trabalhadores de cemitério

>> DEG lança cartilha para orientar retorno às atividades não presenciais

>> Do físico ao virtual: Casa Niemeyer encerra exposição Triangular

>> Projeto quer identificar grupos populacionais com menos acesso à informação sobre a covid-19

>> Pesquisa avaliará impacto psicossocial do isolamento na comunidade acadêmica

>> UnB avança em todos os indicadores de ranking internacional

>> Campanhas de solidariedade da UnB continuam contando com você

>> Disciplinas colocam estudantes da UnB em contato com pesquisas sobre covid-19 

>> Webinário apresenta à sociedade projetos de combate à covid-19

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia da covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> UnB cria fundo para doações de combate à covid-19

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Palavras-chave